“O fundo marinho é o principal destino do plástico que entra no oceano”

Setembro 11, 2017

Entrevista a Christopher K. Pham, investigador no Institute of Marine Research e na Universidade dos Açores

 

“O que não acaba no lixo acaba no mar”. Esta é a mensagem da campanha de sensibilização ambiental da Fundação Oceano Azul e do Oceanário de Lisboa, em parceria com a Olá, que visa alertar os portugueses para um dos maiores problemas ambientais do planeta: o lixo marinho. Christopher K. Pham, investigador na Universidade dos Açores, explica a problemática do lixo marinho no fundo do mar e a razão pela qual se associa a esta campanha. Junte-se a nós por um  #oceanoazul.

“Estamos agora a perceber que o fundo marinho é o principal destino de todo o lixo que entra no oceano e, consequentemente, é uma das zonas de maior acumulação de plástico. O fundo do mar é um reservatório de biodiversidade que é de importância vital para o balanço do nosso planeta. Contudo, contrariamente ao que se passa em águas pouco profundas, o fundo do mar é muito sensível e leva bastante tempo a recuperar de impactos externos, como a poluição devido a plástico. Adicionalmente, o fundo do mar está já sob pressão devido a inúmeras atividades humanas, tais como a pesca, a exploração petrolífera e as mudanças climáticas. É a conjugação de todas estas atividades que representa uma grande ameaça para o fundo do oceano, pondo em causa todo o equilíbrio. Diminuir a entrada de lixo no mar é, por isso, essencial para evitar a poluição no fundo do mar.”

 

Christopher K. Pham, investigador no IMAR – Institute of Marine Research and MARE – Marine and Enviromental Sciences Centre e no Departamento de Oceanografia e Pescas, Universidade dos Açores.